Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
PF combate oferta e venda de vagas em universidade
Publicado em 14/09/2020 15:09

Operação Hipócrates cumpre mandados de busca em Minas Gerais, Goiás e no Rio de Janeiro.

(Foto: Divulgação / CGN)

A Polícia Federal deflagrou nesta segunda-feira (14/9) a Operação Hipócrates, para combater associação criminosa voltada para supostas oferta e venda de vagas na Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), com provável atuação em faculdades de medicina de outros estados da Federação.

 

A Polícia Federal representou pelo bloqueio judicial das contas dos investigados e por mandados de busca e apreensão, expedidos pela 4ª Vara Federal de Belo Horizonte. Três mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos municípios de Contagem/MG, Goiânia/GO e Rio de Janeiro/RJ.

 

Durante a investigação, que durou mais de um ano, identificou-se que os estelionatários teriam utilizado documentos falsificados, contendo o timbre e assinaturas falsificadas de servidores da Faculdade de Medicina da UFMG. Os envolvidos também teriam feito reuniões e entregas de tais documentos falsificados nas dependências da instituição de ensino, visando a dar aparente credibilidade às negociações ilícitas. Depósitos bancários em contas vinculadas aos estelionatários e transferência de bens – como veículos – eram formas de pagamento adotadas pelos interessados. Como as vagas negociadas não lhes eram disponibilizadas, os citados compradores entravam em contato com a Faculdade, para saber o que teria ocorrido. Referidas contas bancárias foram usadas para a movimentação de mais de R$ 1 milhão durante o período de apuração.

 

Os investigados responderão pelos crimes de estelionato, falsificação de documento, uso de documento falso e associação criminosa, podendo cumprir até 20 anos de prisão, se condenados.

 

Seguindo todos os protocolos de cuidados do Ministério da Saúde em face da pandemia do Covid-19, a Polícia Federal continua trabalhando.

Fonte: CGN com informações da Agência PF

Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2020 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG