Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Homem invade casa e "finge" tomar banho para fugir da polícia em BH
Publicado em 20/08/2020 14:08

Militares receberam denúncia de que quatro suspeitos haviam invadido uma casa no bairro Novo São Lucas; moradores reclamaram de operação.

(Foto: Divulgação / R7 Minas)

Dois homens foram presos suspeitos de invadirem uma casa, na noite desta quarta-feira (19), no bairro Novo São Lucas, na região Centro-sul de Belo Horizonte. Um dos envolvidos fingiu estar tomando banho para tentar despistar a polícia.

 

De acordo com o registro policial, a corporação recebeu uma denúncia de que quatro homens invadiram uma casa no bairro. Os militares se deslocaram até o local, que fica na região Centro-sul de BH e montaram um cerco em volta da residência.

 

 

Segundo a polícia, ao avistarem a viatura, os suspeitos começaram a fugir pulando muro de diversas casas e até uma igreja, bem no momento em que acontecia um culto religioso.

 

De acordo com a corporação, durante a fuga, um dos criminosos invadiu outra casa e se escondeu no banheiro. Os militares informaram que, na tentativa de despistar a PM, o suspeito tirou a roupa e fingiu estar tomando banho, se passando por um morador.

 

Baleado

 

 

A PM disse que o homem, de 21 anos, foi preso pela corporação, que continuou atrás de um outro suspeito que também fugiu. Os militares encontraram o homem, que estava armado, em outro beco do mesmo bairro.

 

A corporação informou que, ao abordar o suspeito e pedir para que ele largasse a arma, o homem não obedeceu a ordem dos agentes e foi acertado com um tiro disparado por um dos policiais.

 

Ainda de acordo com a polícia, mesmo baleado o homem continuou em fuga. Segundo a PM, ele foi preso por um agente que estava na direção de uma viatura. O jovem foi levado pela corporação ao Hospital João XXIII para receber atendimento médico e ficou internado sob escolta da polícia.

 

Conforme o registro policial, o suspeito tem 18 anos e foi atingido na perna pelo disparo. Com o homem, os militares encontraram uma pistola 9 milímetros e um rádio comunicador, que estava na mesma frequência do rádio da PM.

 

A corporação informou que o homem, que possui 21 passagens pela polícia, é suspeito de ser o líder do tráfico de drogas na região. Com o outro suspeito que foi preso no banheiro de uma casa, a polícia apreendeu uma outra pistola de mesmo calibre, que era importada da Argentina.

 

Revolta

 

A ação da PM gerou revolta em alguns moradores. Em um vídeo divulgado nas redes sociais, uma pessoa disse que a polícia "tá chegando na favela dando tiro, dando tiro nos outros à toa".

 

Além disso, testemunhas que estavam no local na hora da abordagem da polícia, contaram uma versão diferente da que foi repassada pela corporação. Uma mulher, que não quis se identificar, disse que estava em um bar e viu os suspeitos serem surpreendidos com a chegada da polícia.

 

— Tinham duas viaturas e oito policiais. Eles já chegaram dando dois tiros, o primeiro pegou nele [no homem que foi baleado na perna durante a abordagem]. O outro eu vi que pegou no rosto dele.

 

A namorada do jovem baleado diz que ele já teve ligação com o tráfico, mas afirmou que ele estava longe do crime.

 

— Ele saiu "de boa". Desde abril, que foi quando ele saiu, não estava mexendo com nada.

 

Uma amiga do jovem disse que ele já foi baleado em um outro confronto com a PM.

 

— Na última vez ele tomou nove tiros e ficou aqui (Hospital Joao 23) internado também.

 

Defesa

 

Segundo o tenente João César Brito, que esteve envolvido na operação, a ação foi legítima e necessária, tanto para proteger os agentes como para garantir a segurança da comunidade.

 

— A gente entende a lamentação da família, mas esse jovem não estava "rezando" não. Ele estava no mundo do crime e facilmente se fizer qualquer pesquisa junto aos moradores, a verdade ela vem à tona.

Fonte: Caio Augusto*, do R7, com Virgínia Nalon, da Record TV Minas

Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2020 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG