Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Advogado é detido após insultos e ataque racista no Ceresp Gameleira
Publicado em 07/08/2020 13:08

Confusão teria começado após policial penal impedir o cliente dele de escrever uma carta para a família, pois isso é contra as normas de segurança.

(Foto: Paulo Filgueiras/EM/D.A PRESS - 19/04/2009 )

Um advogado de 46 anos foi detido na tarde dessa quinta-feira por desacato a policiais penais dentro do Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) Gameleira, na Região Oeste de Belo Horizonte. Ele teria insultado os profissionais e até usado racismo para ofender um deles.

 

De acordo com o boletim de ocorrência, ao qual o Estado de Minas teve acesso nesta sexta-feira, as testemunhas contam que um detento começou a escrever uma carta para a família dele a pedido do advogado. Os policiais penais pediram que ele interrompesse a escrita porque a ação é contra as normas de segurança da unidade. No entanto, o advogado teria puxado o papel por baixo do vidro e, aos gritos, disse que ele mesmo escreveria a carta. Logo em seguida, o policial penal que acompanhava o cliente encerrou o atendimento.

 

Ainda de acordo com o registro, o advogado se revoltou e começou a xingar o servido usando termos de baixo calão. Entre outras coisas, ele teria chamado uma policial penal de “vagabunda”. Eles tentaram acalmar o advogado e solicitaram o apoio da segurança, mas o defensor teria saído correndo. Os agentes deram voz de prisão ao homem e o posicionaram para revista corporal, mas os insultos continuaram. O advogado teria chegado a chamar o primeiro policial, que acompanhava o atendimento ao cliente dele, de “preto filho da p...”.

 

Os insultos continuaram. “Não posso ser preso, pois sou advogado, vocês não são policiais fora do âmbito prisional, lá fora vocês não são nada, pelo menos eu sou advogado e não agente, se vocês tivessem estudado não seriam agentes”, teria dito o advogado, conforme o boletim de ocorrência.

 

Consta no documento que o advogado precisou ser algemado. Um representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-MG) foi acionado para acompanhar o caso.

 

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública (Sejusp) confirmou que o advogado foi preso em flagrante na unidade por desacato à autoridade, mas, diferentemente do Registro de Evento de Defesa Social (REDS), diz que o advogado tentou passar um bilhete para o preso. “Ao ser alertado de que infringia normas de segurança, ele desacatou vários policiais penais”, diz a nota. O advogado foi encaminhado à Central de Flagrantes (Ceflan) do Barreiro. “A Sejusp ressalta que não compactua com o comportamento e atitudes do profissional e que as suas unidades prisionais possuem relações estreitas e de parceria com a Ordem dos Advogados do Brasil, sempre prezando pelo melhor atendimento aos profissionais do Direito”, finaliza.

 

Já a Polícia Civil informou que os envolvidos prestaram depoimento e que o advogado, “acusado de desacato e injúria racial”, foi liberado. A instituição instaurou um procedimento para apurar o caso, que será investigado pela 1ª Delegacia de Polícia Civil do Barreiro.

Fonte: Cristiane Silva - Estado de Minas

Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2020 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG