Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Dono de fábrica de calçados que explodiu em Nova Serrana e deixou três mortos é indiciado por homicídio culposo
Publicado em 31/07/2020 16:07

Inquérito apontou que não houve intenção de matar. Foram mais de 40 dias de apuração e polícia agora segue apurando em outro procedimento suposta falsificação de calçados por parte da empresa. O G1 procurou o citado.

(Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação)

O dono da fábrica de calçados que explodiu em Nova Serrana no dia 16 de junho e resultou na morte de um adolescente de 16 anos e dois jovens, de 18 e 19 anos - sendo destes são dois funcionários e um amigo deles - foi indiciado por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.

 

A conclusão do inquérito de apuração da Polícia Civil terminou depois de 44 dias. Contudo, a polícia também apura, em outro procedimento, suposta falsificação de calçados por parte da empresa. O G1 não conseguiu contato com a defesa do dono do estabelecimento para saber se gostariam de se manifestar sobre o assunto até a última atualização desta reportagem.

 

De acordo com a a delegada responsável pelo inquérito policial, Karine Tassara Fernandes, as investigações apontaram que o estabelecimento atuava de forma irregular, sem os alvarás de funcionamento exigidos pela Prefeitura e pelo Corpo de Bombeiros. Além disso, os dois funcionários foram contratados informalmente. O laudo pericial constatou, ainda, que o local não era adequado para o desempenho das atividades de fabricação de calçados.

 

Outra verificação da perícia demonstrou que o incêndio foi ocasionado por um elemento em combustão deixado perto de um material combustível - a polícia não detalhou o que era o elemento. Na ocasião do acidente, os bombeiros disseram que a suspeita era de que o incêndio teria começado na cozinha.

 

Duas das vítimas, de 16 e 19 anos morreram carbonizadas e a terceira de 18 anos, morreu posteriormente, após hospitalização em função das graves queimaduras.

 

Explosão

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a empresa que fica no Bairro Jardim Padre Libério tem 14 funcionários que estavam em horário de almoço quando ocorreu a explosão seguida de um incêndio. As chamas consumiram boa parte do estabelecimento. Dois colaboradores um amigo deles morreram em decorrência do incêndio.

 

Documentação

A Prefeitura informou na ocasião que a empresa de calçado não tinha alvará de funcionamento e nem de localização. Contudo, o advogado que representava a fábrica na época,Jonathan Vitor, disse à reportagem o proprietário da fábrica garantiu que ela era legalizada e tinha os documentos necessários.

 

O nome fantasia da fábrica "Atacadão do Chinelo", e não foi encontrado nos registros de alvará do Executivo.

 

Atendimento médico

A vítima de 18 anos, que ficou ferida foi inicialmente atendida pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhada para o Hospital São José. Em seguida, pela gravidade dos ferimentos, o jovem foi levado pelo helicóptero Arcanjo 04, do Corpo de Bombeiros para o Hospital João XXIII, na capital mineira onde faleceu dias depois.

Fonte: G1 Centro-Oeste de Minas e MG2

Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação
Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2020 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG