Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Júnior, fundador da Qualicorp, é preso em operação que apura campanha de Serra
Publicado em 21/07/2020 16:07

Empresário é investigado por irregularidades relacionadas à campanha eleitoral do tucano de 2014.

(Foto: Julia Moraes / Fiesp)

O empresário José Seripieri Filho, o Júnior, fundador da Qualicorp, foi preso na manhã desta terça (21), numa operação que investiga irregularidades relacionadas à campanha eleitoral de José Serra de 2014, quando ele foi eleito senador por São Paulo. A prisão é temporária. Seripieri foi alvo também de uma operação de busca e apreensão em sua casa.

 

A PF cumpre outros três mandados de prisão temporária e 15 de busca e apreensão relacionadas a doações não contabilizadas que somariam R$ 5 milhões. A operação foi autorizada pela Justiça Eleitoral.

 

De acordo com informações oficiais, os mandados são cumpridos em São Paulo, Brasília, Itu e Itatiba e têm como base um inquérito enviado pelo STF (Supremo Tribunal Federal) à primeira instância.

 

Um comunicado da Polícia Federal e do Ministério Público de São Paulo diz que "foi constatada a existência de fundados indícios do recebimento por parlamentar de doações eleitorais não contabilizadas, repassadas por meio de operações financeiras e societárias simuladas, visando assim a ocultar a origem ilícita dos valores recebidos, cujo montante correspondeu à quantia de R$ 5 milhões".

 

No começo do mês, Serra e a filha dele, Veronica Serra, foram alvo de uma operação na área criminal. Eles são investigados por manter contas no exterior que teriam sido abastecidas pela Odebrecht. Os dois foram indiciados pela força-tarefa da Operação Lava Jato por lavagem de dinheiro de obras do Rodoanel Sul no exterior.

 

De acordo com a delação de ex-executivos da empreiteira, cerca de R$ 23 milhões teriam sido depositados, entre 2009 e 2010, para a liberação de créditos com a Dersa, estatal paulista extinta no ano passado.

Fonte: MÔNICA BERGAMO - FOLHAPRESS

Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2020 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG