Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Sanção parcial de reajuste para segurança em Minas repercute mal na categoria
Publicado em 12/03/2020 08:03

"A repercussão é muito ruim. Estávamos negociando o reajuste com o governo desde o ano passado. Haverá reação, com certeza", afirmou o vice-presidente da Aspra-MG

A decisão do Governo de Minas Gerais de conferir apenas um reajuste de 13% para os servidores da segurança pública estadual repercutiu mal na categoria. No projeto aprovado pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), os agentes receberiam 41,7% de correção, escalonada em três anos. O vice-presidente da Associação dos Praças Policiais e Bombeiros Militares de Minas Gerais (Aspra-MG), sargento Marco Antônio Bahia, definiu a decisão como uma “bomba”.

“A repercussão é muito ruim. Estávamos negociando o reajuste com o governo desde o ano passado. Haverá reação, com certeza. Não sei como essa frustração vai repercutir na tropa”, declarou Bahia. De acordo com o dirigente, a associação se reunirá nesta quinta-feira com outros representantes da categoria na ALMG para traçar uma estratégia de ação. Além disso, o vice-presidente Aspra afirma que os servidores da segurança tentarão marcar uma reunião com o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Agostinho Patrus (PV), para discutir o veto ao projeto. 

O presidente do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiros Militares de Minas Gerais, cabo Álvaro Rodrigues Coelho, definiu a sanção parcial do projeto como “desastrosa”. “É frustrante, uma vez que é uma matéria proposta pelo próprio governador. Estamos a cinco anos sem receber reajuste e recebendo salários parcelados”, responde Coelho. 

Rodrigues Coelho enxergava que a categoria estava confiante de que receberia o reajuste de 41,7% escalonado em três anos. Ele afirma que os servidores ainda vão se reunir para planejar uma resposta à sanção do projeto.  

Fonte: Felipe Quintella - Estado de Minas

MAIS NOTÍCIAS
NOTA DE LUTO - Morre aos 54 anos o vice-diretor regional de Poços de Caldas

A diretoria do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG) lamenta a morte do vice-diretor regional da cidade de Poços de Caldas, sargento reformado José...Leia mais.

Profissionais da Segurança Pública de todo país serão afetados pela PLP 039/2020

Na noite desta quarta-feira, 27 de maio, a diretoria do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG), tomou conhecimento sobre a decisão do presidente da...Leia mais.

Projeto de Lei consolidará o Sistema de Proteção Social dos Militares de MG

Na manhã desta terça-feira, 05 de maio, o presidente do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG), Cabo Coelho e o diretor administrativo, Sargento...Leia mais.

Previdência dos Militares mobiliza representantes de classe, parlamentares e Comandos da PM e CBM em BH

Na manhã desta quarta-feira, 29/04, o presidente do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG), Cabo Coelho e o diretor administrativo, Sargento Oliva,...Leia mais.

VER TODAS AS NOTÍCIAS
Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2020 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG