Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Polícia prende homens que bancavam luxos com venda ilegal de medicamentos
Publicado em 21/08/2019 13:08

Suspeitos viviam em Paracatu (MG) e em Caieiras (SP); ao todo, R$ 5 milhões em produtos foram apreendidos.

(Foto: PCMG/Divulgação)

A Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) prendeu dois mineiros, de 30 e 28 anos, e três paulistas, de 20, 28 e 36 anos, acusados de revenderem esteroides, anabolizantes e medicamentos controlados, como abortivos, em todo o país. O grupo possuía dois "centros de distribuição": um em Paracatu, região Noroeste de Minas Gerais, e outro em Caieiras, interior de São Paulo.

Nesta terça-feira (20), o delegado Tiago Veiga Ludwig, da PCMG, explicou detalhes da Operação Sentinam, para desarticular a organização criminosa. Em entrevista a O TEMPO, ele contou que a investigação começou em maio, após uma denúncia anônima, e explicou como ocorria a dinâmica da venda. "Um dos rapazes, aqui de Paracatu, mantinha um site no qual oferecia medicamentos tarja preta, anabolizantes e outros produtos nos mais diferentes preços, de R$ 50 a R$ 400. A pessoa fazia a encomenda pelo site e depois confirmava o pagamento via WhatsApp, enviando o comprovante de pagamento. Imediatamente, os suspeitos faziam a remessa dos produtos", explica.

De acordo com a Polícia Civil, os indivíduos faziam, em média, 50 remessas por dia, de segunda a sábado. Segundo Ludwig, da cidade mineira saíam principalmente anabolizantes e medicamentos abortivos. Em São Paulo, eram feitas as remessas de medicamentos estrangeiros, anabolizantes "e outros produtos que a gente nem sabe o que é ainda, porque são ampolas sem identificação", conta o delegado.

Todos os produtos da venda ilegal eram enviados via Correios. Os itens eram sempre remetidos a partir de um endereço ficcional, com declaração falsa de conteúdo, além de serem dobrados de uma forma que dificultava a inspeção. "Primeiramente identificamos, graças ao circuito de segurança de uma agência, o responsável por fazer as postagens, que ia sempre em uma unidade no bairro Morumbi (São Paulo). Antes mesmo de prendê-lo, conseguimos apreender R$ 500 mil em produtos", explica o delegado.

A prisão deste primeiro suspeito foi feita na semana passada e, partir daí, foram detidos os demais envolvidos. Todos foram levados para o Presídio de Paracatu. Outros quatro membros da organização criminosa, sendo uma mulher e três homens, incluindo aquele que a PC acredita ser líder do grupo, são considerados foragidos.

Eles vão responder pelos crimes de adulteração e venda de medicamentos controlados, tráfico e associação para o tráfico, formação de organização criminosa e falsidade ideológica, além de lavagem de capitais.

Recolhidos

Segundo a Polícia Civil, mais de R$ 5 milhões em produtos ilícitos foram apreendidos, além de um telefone, computadores, um automóvel e uma moto de luxo, utilizados por um dos mineiros. "Um dos suspeitos preso em Paracatu tinha uma vida de alto poder aquisitivo, dirigia um Camaro, vivia em festas, isso sem ter qualquer tipo de emprego", comenta o delegado.

Também foram bloqueados R$ 200 mil em contas correntes usadas pelo grupo.

Fonte: Aline Gonçalves – O Tempo

Foto: PCMG/Divulgação
Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2020 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG