Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Suspeito de matar ex e filho dela em Belo Horizonte é preso
Publicado em 31/07/2019 16:07

Homem foi encontrado em um carro perto do Fórum Lafaytte com a arma do crime.

(Foto: Fernando Zuba/TV Globo)

Paulo Henrique da Rocha, de 33 anos, suspeito de matar a ex-mulher Tereza Cristina Peres, de 44, e o filho dela Gabriel Peres, de 22, foi preso nesta quarta-feira (31) em Belo Horizonte. Ele estava em um carro perto do Fórum Lafayette, no Barro Preto, na Região Centro-Sul da capital, com a arma do crime.

O homem foi encontrado depois de a polícia receber informações que ele estava na região, em um carro preto. De acordo com os investigadores, no momento da prisão, ele alegou que estava indo se encontrar com o advogado para se apresentar à polícia. No entanto, o advogado já estava na delegacia.

Antes de ser preso, Paulo Henrique rodou com o carro por Pará de Minas (Centro-Oeste), Pedro Leopoldo e Nova Lima (Grande BH), e em vários bairros de Belo Horizonte.

Segundo a delegada Ingrid Estevam, Paulo Henrique chegou ao local do crime cerca de cinco horas antes dos assassinatos, indicando que o duplo homicídio foi premeditado pelo suspeito. Ele esperou pelas vítimas e as executou.

Outros fatos que apontam para a premeditação, de acordo com a delegada, é a mala de roupas encontrada no carro e o fato de ele ter vendido móveis e eletrodomésticos antes do crime.

Ingrid acrescentou ainda que o filho de Tereza, Gabriel, foi morto intencionalmente pelo suspeito, já que havia registro policial feito por Gabriel contra Paulo por causa de ameaças, o que demonstra que eles não tinham uma boa relação.

A prisão foi decretada, nesta manhã, pela Justiça mineira. O pedido havia sido feito pelo Polícia Civil, que investiga o caso. De acordo com a corporação, a medida é essencial para as investigações porque, depois das duas mortes, o principal suspeito dos crimes havia desaparecido.

A solicitação era de prisão temporária, que tem prazo de cinco dias, e foi protocolada no plantão forense da polícia, durante a madrugada. Segundo a assessoria do Fórum Lafayette, o Ministério Público analisou o pedido e requereu a detenção temporária ou preventiva, de maior prazo.

De acordo com o laudo de necropsia do Instituto Médico Legal (IML), Tereza foi atingida por quatro tiros: três no tórax e um na cabeça.

O crime

Mãe e filho foram assassinados a tiros, no meio da rua, quando voltavam da academia, no bairro Ipiranga, na Região Nordeste de Belo Horizonte, na noite de segunda-feira (29). Os corpos foram velados e enterrados nesta quarta no Cemitério da Paz, no bairro Caiçara, na Região Noroeste.

Familiares relataram que Paulo Henrique não aceitava o fim do casamento e ameaçava Tereza. Ela havia registrado pelo menos nove boletins de ocorrência contra o ex-marido.

Em coletiva de imprensa nesta terça-feira (30), a Polícia Civil informou que, em março deste ano, pediu a prisão de Paulo Henrique da Rocha, mas a Justiça negou. "O pedido de prisão foi baseado na divulgação de fotos íntimas e de criação de perfil falso, foi concedida a medida judicial cabível que era a busca e apreensão do aparelho eletrônico", disse a juíza Maria Aparecida Consentino, do 1º Juizado da Violência Doméstica.

Para a delegada Isabella Franca, no entanto, "a prisão do agressor era importantíssima". Tereza Cristina tinha três medidas protetivas contra o suspeito: em novembro de 2017, por agressão e dano material; em janeiro de 2019, por agressão física com lesão corporal; em fevereiro de 2019, por ameaça e fake news - quando o suspeito criou um perfil falso da vítima no Instagram.

Ainda conforme a polícia, várias tentativas de oficiar o suspeito foram feitas, mas sem sucesso. Em abril deste ano, ele foi ouvido e informado sobre as medidas protetivas. Ele negou todas as ameaças e a criação do perfil falso na rede social.

O suspeito responde a cinco inquéritos - um envolvendo Tereza Peres e outros quatro referentes a outras quatro mulheres. Ele também responde por porte ilegal de arma e a dois por ameaçar duas ex-namoradas, em 2007 e 2014.

Fonte: Fernando Zuba, TV Globo e G1 Minas

Foto: Reprodução/TV Globo
Foto: Fernando Zuba/TV Globo
Foto: Fernando Zuba/TV Globo
Foto: Cristiane Leite/TV Globo
Foto: Reprodução/TV Globo
Foto: Reprodução/TV Globo
Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2020 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG