Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Gênero e sexualidade: entenda polêmica que opõe pais e o Colégio Santo Agostinho
Publicado em 27/11/2018 15:11

Caso teve início em abril do ano passado, quando pais de estudantes questionaram a veiculação de conteúdo de gênero numa peça publicitária na página eletrônica do colégio.

(Foto: Túlio Santos / EM / D.A press)

Dois novos rounds na queda de braço travada desde o ano passado entre um grupo de pais de alunos e o Colégio Santo Agostinho, em Belo Horizonte, desta vez envolvendo até mesmo uma disputa entre promotorias. No fim de semana, começou a circular pelo WhatsApp cópia da ação civil pública protetiva proposta no último mês de setembro pela Promotoria de Defesa dos Direitos das Crianças e dos Adolescentes, com mensagem sobre uma suposta condenação da escola. Trata-se de ação para apuração de infração administrativa contra a Sociedade Inteligência e Coração (SIC), mantenedora do estabelecimento de ensino, acusada de divulgar em sala de aula a ideologia de gênero.

A instituição, que foi surpreendida ao ser notificada do processo no início deste mês, divulgou na última segunda-feira (26) nota à comunidade escolar negando a veracidade do conteúdo da mensagem, uma vez que a ação ainda está em tramitação na Justiça. À noite, o Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informou que protocolou pedido de suspensão do processo perante a Vara de Infância e Juventude de BH, uma vez que a Promotoria de Justiça de Educação suscitou conflito de atribuições, no qual sustenta não caber à Defesa da Criança propor ação sobre o tema.

Segundo nota do MPMG, o processo só poderá ser retomada depois que a Procuradoria-Geral de Justiça indicar se a matéria, nos termos em que foi tratada na ação proposta, deve ser objeto de intervenção do órgão e definir qual promotoria teria atribuição para propor medidas na área.

O caso teve início em abril do ano passado, quando pais de estudantes questionaram a veiculação de conteúdo de gênero numa peça publicitária na página eletrônica do colégio. Em julho, foram além. Enviaram notificação extrajudicial à SIC, que é mantenedora das unidades do Colégio Santo Agostinho (BH, Contagem e Nova Lima), na pessoa de seu presidente, o frei Pablo Gabriel Lopes Blanco, e também de três diretores. O documento foi elaborado por um grupo que representa 84 responsáveis por alunos. O colégio tem ao todo 12 mil estudantes, sendo 8,5 mil no Santo Agostinho e 3,5 mil em escolas 100% gratuitas.

O texto exigia do colégio parar de ministrar em sala de aula conteúdos relacionados a temas como gênero e sexualidade. Normalmente, uma notificação extrajudicial é enviada antes da abertura de um processo na Justiça. Ela representa uma comunicação para que o órgão que está sendo notificado tome ciência do problema e resolva a situação antes que ele seja acionado na Justiça. Ao mesmo tempo, o grupo fez também uma representação no Ministério Público contra a instituição alegando o mesmo tema. Na época, esses pais, em entrevista ao Estado de Minas, se disseram dispostos a acionar a Justiça caso não houvesse entendimento.

A assessoria do Fórum Lafayette informou que a ação foi distribuída em 12 de setembro no Juizado da Infância e Juventude. As partes foram citadas e o processo está nas mãos dos advogados da SIC, para análise. Na nota divulgada na segunda-feira (26), o Santo Agostinho voltou a reiterar que não contempla em seu projeto pedagógico a ideologia de gênero. “A ação judicial contém alegações absurdas, desconectadas da realidade e sem correspondência com a verdade. O Colégio Santo Agostinho já está tomando as medidas judiciais cabíveis, seja para nos defender contra as falsas alegações, seja para responsabilizar as pessoas e os agentes que estão divulgando essas mentiras”, afirma o texto.

A escola enfatizou que não tem projeto algum “para confundir a cabeça das crianças e jovens”, como se alega no processo. “O mundo mudou e a sociedade também. A escola não está incólume a tudo isso. Ela interfere e sofre a interferência do seu entorno. No mar agitado, busca o farol; no meio dos ruídos, busca os sinais. A experiência e a tradição nos ajudam a lidar com as contradições, as diferenças, os extremos e as incertezas. A escola não é a inimiga, e tampouco os professores; somos parceiros das famílias na formação humana e cidadã de seus filhos, pautada nos valores cristãos, católicos e agostinianos”, diz.

O Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep-MG) saiu em defesa do colégio. A presidente da entidade, Zuleica Reis, disse que a promoção do respeito e tolerância, presentes na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional e na Base Nacional Comum Curricular (BNCC), deve ser trabalhada em todas as instituições de ensino. “As escolas particulares prezam pela contratação de equipe preparada e todos os temas abordados em sala de aula são previamente discutidos e analisados de forma séria e ética. Nem a escola nem qualquer instituição tem o papel de tentar manipular ou interferir na orientação ou na identidade de alguém, mas pode ajudar a instaurar a cultura do respeito às diferenças”, afirmou.

O Sinep relatou ainda entender que a escola, “de forma técnica, profissional e competente, deve falar desses temas para diminuir o choque e evitar o senso comum”. “É direito da escola e dos pais optarem por qual recorte vão fazer na educação, escolhendo a instituição que mais esteja conectada aos seus valores. É necessário que escola, professores e famílias estejam em constante diálogo para contribuir para a promoção da cidadania e do respeito, com absoluta confiança mútua”, acrescentou Zuleica Reis, por meio de nota.

AÇÃO

Na notificação extrajudicial e em carta enviada ano passado à direção do Santo Agostinho, mães e pais se diziam “preocupados com a inserção de conteúdos atinentes à sexualidade e questões de “gênero” nas mais diversas matérias do currículo escolar, inclusive e principalmente, em Ensino Religioso e Ciências”.

O grupo se mostrou contrário à abordagem desse tipo de conteúdo, sob o argumento de que “referidas matérias não devem ser expostas a nossos filhos, salvo pela própria família”. E invocou mecanismos da legislação para respaldar essa posição, como o Código Civil Brasileiro, o Estatuto da Criança e do Adolescente, a Convenção da ONU sobre os Direitos das Crianças.

Na ação, assinada pelos promotores Celso Penna Fernandes Júnior e Maria de Lurdes Rodrigues Santa Gema, é pedida a condenação da escola e indenização por dano moral coletivo, no valor correspondente às mensalidades e à matrícula de 2017 de todos os alunos da 3ª à 6ª série do ensino fundamental do Santo Agostinho. Os promotores alegam que é preciso considerar “a situação de risco a que foram expostos (...) ante o ensino de matérias, uso de práticas, de material e de dinâmica indevidos, inadequados ou incompatíveis com a respectiva idade, o que veio a prejudicar o desenvolvimento psíquico e moral dos mesmos”.

Fonte: Junia Oliveira – Estado de Minas

MAIS NOTÍCIAS
Defesa Civil monitora situação de talude que pode se romper a qualquer momento em Barão de Cocais, na Região Central de MG

(Foto: Reprodução/Globocop)

A Defesa Civil de Minas Gerais continua monitorando, nesta quarta-feira (22), a situação do talude da Mina de Gongo Soco que pode se romper a qualquer momento em...Leia mais.

Novo bafômetro já é usado em quatro cidades de Minas; novidade está em saída de BH

(Foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 13/4/17)

O cerco em Minas Gerais será fechado com ainda mais intensidade contra motoristas que insistem em dirigir depois de consumir bebidas alcoólicas. Para isso, um novo...Leia mais.

Governo publica decreto sobre armas; civis não podem adquirir fuzis

O governo federal publicou hoje (22) novo decreto que altera regras do Decreto nº 9.785, de 7 de maio de 2019, que trata da aquisição, cadastro, registro, posse, porte e comercialização de armas de fogo no...Leia mais.

Maior apreensão do ano em MG: polícia recolhe 3 toneladas de maconha em JF

(Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Um homem de 38 anos foi preso pela Polícia Civil em Juiz de Fora, na Zona da Mata, durante uma operação que resultou na maior apreensão de drogas...Leia mais.

Homem esfaqueia ex, invade igreja evangélica e mata fiéis em Paracatu

Um ex-militar das Forças Armadas invadiu uma igreja evangélica e matou quatro pessoas na noite desta terça-feira (21), em Paracatu, na região Noroeste de Minas. O homem esfaqueou a ex-namorada e, em seguida, entrou no...Leia mais.

VER TODAS AS NOTÍCIAS
Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2019 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG