Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Militares estarão em primeiro plano no próximo governo
Publicado em 07/11/2018 11:11

O encontro do presidente eleito, Jair Bolsonaro, com os comandantes das Forças Armadas, antes de ter uma reunião com o presidente Michel Temer, é um forte indício de prestígio dos militares.

(Foto: Valter Campanato / Agência Brasil)

O encontro do presidente eleito, Jair Bolsonaro, com os comandantes das Forças Armadas, antes de ter uma reunião com o presidente Michel Temer, é um forte indício de que os militares estarão em primeiro plano no próximo governo, avaliam especialistas. Na reunião com os comandantes Eduardo Bacellar (da Marinha) e Eduardo Villas Bôas (do Exército), Bolsonaro afirmou que o governo não pretende contingenciar recursos dos militares.

Segundo o cientista político Thiago Vidal, o que chama mais a atenção é Bolsonaro ter se encontrado individualmente com cada um dos mandatários das três Forças. “O mais simbólico é o fato de ter um número significativo de militares como prováveis ministros e/ou assessores diretos. No fim, é um prestígio às Forças Armados. Um prestígio individual”, diz. Vidal lembra, no entanto, que a presença do presidente eleito na cerimônia de comemoração dos 30 anos da Constituição, na Câmara, fez com que ele e Temer se reunissem informalmente.

Para o professor e cientista político da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) Homero de Oliveira, esse contato próximo das instituições militares com Bolsonaro é previsível e “perfeitamente lógico”. Ele conta que, desde o início da campanha, parte expressiva dos membros das Forças — em especial do Exército — apoiou Bolsonaro. “Não sei o que o levou a fazer isso, mas, talvez, pensou que o fortaleceria, por enfatizar a posição em favor das Forças Armadas”, afirma o pesquisador.

O acadêmico acredita que, mesmo com um contexto diferente, o fato vivenciado, na última terça-feira (06), se assemelha, em alguns aspectos, ao que ocorreu com Getúlio Vargas em 1950. Ele lembra que, à época, o representante do PTB chegou a pedir a anuência dos militares para disputar a campanha eleitoral. “Getúlio era um civil, mas Bolsonaro, já é um militar de carreira. É alguém que deve contar com o apoio dos militares.”

Oliveira diz que o presidente eleito não necessita da aceitação dos chefes das Forças para governar, mas ressalta que as medidas prometidas durante a campanha, de aumentar o número de militares em postos-chaves do governo, podem criar um ambiente de aprisionamento dos interesses da categoria. “Já começou com a presença muito forte dos militares na composição da equipe de transição. Além disso, ele anunciou que terá a maioria da Esplanada comandada por militares”, afirma.

Sem cortes

Ao ser questionado sobre a mensagem que esses encontros podem transmitir, Bolsonaro foi enfático. “Eu sou oriundo da carreira, então, os militares terão um lugar de destaque no governo.”

O presidente eleito também garantiu que as Forças Armadas não sofrerão cortes de orçamento. “Hoje (06/11), Paulo Guedes disse que os militares não terão recursos contingenciados. Ele manda na economia”, ressalta. A decisão, segundo Bolsonaro, se justifica pelo fato de os militares prestarem um serviço a todo o Brasil, sendo essenciais em “momentos difíceis como os que atravessamos”. “Acho que nada é mais justo. É o reconhecimento das Forças Armadas”, diz.

O núcleo duro do governo já conta com dois militares de destaque: os generais Augusto Heleno Ribeiro (para a Defesa ou SGI), um dos principais conselheiros, e o vice-presidente eleito, Hamilton Mourão. Ambos estavam presentes nos encontros com os comandos das Forças Armadas.

Fonte: Lucas Valença Especial para o EM

MAIS NOTÍCIAS
Jurídico do CSCS recebe elogio de associado

A assessoria jurídica da Sede do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG) obteve, mais uma vez, sucesso em processo judicial, em Belo Horizonte.

O...Leia mais.

Deputados e Entidades de Classe da segurança pública convocam as mobilizações também para o interior de MG

Nesta quinta-feira, 7 de março, durante a reunião com os deputados Sargento Rodrigues e Subtenente Gonzaga, juntamente com Cel Mendonça,
entidades de Classe da segurança pública - CSCS, ASPRA, ASCOBOM,...Leia mais.

Diretoria do CSCS reinaugura casa de apoio em BH

Pensando no conforto e comodidade de seus associados e após 3 meses em reforma, a Casa de Apoio do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG), localizada em...Leia mais.

Dirigentes do CSCS participaram de manifestação no centro da capital

Durante nomeação dos deputados estaduais na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), na tarde desta sexta-feira (01), diversas entidades de classes, que representam os servidores públicos do estado,...Leia mais.

CSCS convoca servidores públicos para a manifestação do dia 01 de fevereiro

O Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG) como representante de classe dos militares e junto às demais categorias da segurança pública do...Leia mais.

VER TODAS AS NOTÍCIAS
Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2019 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG