Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Em prisão domiciliar, estelionatária volta a vender no WhatsApp
Publicado em 10/10/2018 10:10

Cliente lesada por mulher está revoltada com a situação.

(Foto: Reprodução / Facebook)

Uma mulher que foi presa por se aproveitar da febre das vendas de roupas online para aplicar um golpe voltou a trabalhar na atividade que a levou para a cadeia em agosto, quando foi detida em Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas Gerais. Uma das vítimas da estelionatária ficou indignada ao descobrir que a golpista, mesmo em prisão domiciliar, criou um novo grupo no WhatsApp para comercializar as peças. Ela teme que a vendedora volte a cometer o mesmo crime e faz um alerta para que outras pessoas não sejam enganadas.

Moradora de Venda Nova, em Belo Horizonte, a vítima comprou cerca de R$ 800 em peças em fevereiro de 2018, após negociação feita pela internet. No entanto, as peças que chegaram eram de péssima qualidade e de modelos diferentes do que os que haviam sido pedidos.

Ela tentou negociar com a comerciante, mas foi bloqueada pela vendedora nas redes sociais. A solução foi acionar a Justiça, que condenou a empresa da vendedora a devolver o valor, com juros, e a pagar R$ 1.000 por danos morais. A ré não se manifestou durante o processo e teve os bens bloqueados neste mês, para o ressarcimento da vítima.

O susto maior, segundo a compradora, foi descobrir que a estelionatária havia passado poucos dias na cadeia e já estava negociando peças pela internet novamente. “Ela começou a reunir os contatos que tinha e, por engano, adicionou minha advogada no grupo do WhatsApp. Minha vontade é pegar cada contato que está no grupo e mandar uma mensagem revelando quem é essa vendedora”, diz a mulher, que pediu para ter o nome preservado.

A Polícia Civil informou que, desde a prisão, há registro de uma nova queixa contra a golpista, em 22 de agosto, pelo mesmo crime. A suspeita havia sido presa em 13 de agosto deste ano, acusada de dar o golpe em mais de 20 vítimas.

Ela deixou a cadeia em 31 de agosto, após expedição de alvará de soltura, e passou cumprir prisão domiciliar, segundo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O processo pelo crime de estelionato continua em tramitação na corte.

Outro Lado

Sem contato. A reportagem de O TEMPO telefonou diversas vezes para a vendedora suspeita nesta segunda-feira (8), mas não conseguiu contato com ela. As ligações caíram na caixa de mensagens.

É mais seguro comprar em loja conhecida

Especialista em direito do consumidor, o advogado Bruno Amorim alerta para os riscos de se fazer compras por meio de redes sociais. “Este tipo de negociação é complicada. É mais difícil fazer a verificação de informações sobre o vendedor pelo Facebook ou WhatsApp”, observa.

A orientação é procurar sites de marcas conhecidas, checar se a empresa tem telefone, CNPJ e reclamação divulgada na internet por clientes. Amorim diz que a venda por redes sociais não isenta o comerciante de responsabilidades.

Fonte: Clarisse Souza – O Tempo

MAIS NOTÍCIAS
Defesa Civil monitora situação de talude que pode se romper a qualquer momento em Barão de Cocais, na Região Central de MG

(Foto: Reprodução/Globocop)

A Defesa Civil de Minas Gerais continua monitorando, nesta quarta-feira (22), a situação do talude da Mina de Gongo Soco que pode se romper a qualquer momento em...Leia mais.

Novo bafômetro já é usado em quatro cidades de Minas; novidade está em saída de BH

(Foto: Gladyston Rodrigues/EM/D.A Press - 13/4/17)

O cerco em Minas Gerais será fechado com ainda mais intensidade contra motoristas que insistem em dirigir depois de consumir bebidas alcoólicas. Para isso, um novo...Leia mais.

Governo publica decreto sobre armas; civis não podem adquirir fuzis

O governo federal publicou hoje (22) novo decreto que altera regras do Decreto nº 9.785, de 7 de maio de 2019, que trata da aquisição, cadastro, registro, posse, porte e comercialização de armas de fogo no...Leia mais.

Maior apreensão do ano em MG: polícia recolhe 3 toneladas de maconha em JF

(Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Um homem de 38 anos foi preso pela Polícia Civil em Juiz de Fora, na Zona da Mata, durante uma operação que resultou na maior apreensão de drogas...Leia mais.

Homem esfaqueia ex, invade igreja evangélica e mata fiéis em Paracatu

Um ex-militar das Forças Armadas invadiu uma igreja evangélica e matou quatro pessoas na noite desta terça-feira (21), em Paracatu, na região Noroeste de Minas. O homem esfaqueou a ex-namorada e, em seguida, entrou no...Leia mais.

VER TODAS AS NOTÍCIAS
Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2019 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG