Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Em prisão domiciliar, estelionatária volta a vender no WhatsApp
Publicado em 10/10/2018 10:10

Cliente lesada por mulher está revoltada com a situação.

(Foto: Reprodução / Facebook)

Uma mulher que foi presa por se aproveitar da febre das vendas de roupas online para aplicar um golpe voltou a trabalhar na atividade que a levou para a cadeia em agosto, quando foi detida em Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas Gerais. Uma das vítimas da estelionatária ficou indignada ao descobrir que a golpista, mesmo em prisão domiciliar, criou um novo grupo no WhatsApp para comercializar as peças. Ela teme que a vendedora volte a cometer o mesmo crime e faz um alerta para que outras pessoas não sejam enganadas.

Moradora de Venda Nova, em Belo Horizonte, a vítima comprou cerca de R$ 800 em peças em fevereiro de 2018, após negociação feita pela internet. No entanto, as peças que chegaram eram de péssima qualidade e de modelos diferentes do que os que haviam sido pedidos.

Ela tentou negociar com a comerciante, mas foi bloqueada pela vendedora nas redes sociais. A solução foi acionar a Justiça, que condenou a empresa da vendedora a devolver o valor, com juros, e a pagar R$ 1.000 por danos morais. A ré não se manifestou durante o processo e teve os bens bloqueados neste mês, para o ressarcimento da vítima.

O susto maior, segundo a compradora, foi descobrir que a estelionatária havia passado poucos dias na cadeia e já estava negociando peças pela internet novamente. “Ela começou a reunir os contatos que tinha e, por engano, adicionou minha advogada no grupo do WhatsApp. Minha vontade é pegar cada contato que está no grupo e mandar uma mensagem revelando quem é essa vendedora”, diz a mulher, que pediu para ter o nome preservado.

A Polícia Civil informou que, desde a prisão, há registro de uma nova queixa contra a golpista, em 22 de agosto, pelo mesmo crime. A suspeita havia sido presa em 13 de agosto deste ano, acusada de dar o golpe em mais de 20 vítimas.

Ela deixou a cadeia em 31 de agosto, após expedição de alvará de soltura, e passou cumprir prisão domiciliar, segundo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). O processo pelo crime de estelionato continua em tramitação na corte.

Outro Lado

Sem contato. A reportagem de O TEMPO telefonou diversas vezes para a vendedora suspeita nesta segunda-feira (8), mas não conseguiu contato com ela. As ligações caíram na caixa de mensagens.

É mais seguro comprar em loja conhecida

Especialista em direito do consumidor, o advogado Bruno Amorim alerta para os riscos de se fazer compras por meio de redes sociais. “Este tipo de negociação é complicada. É mais difícil fazer a verificação de informações sobre o vendedor pelo Facebook ou WhatsApp”, observa.

A orientação é procurar sites de marcas conhecidas, checar se a empresa tem telefone, CNPJ e reclamação divulgada na internet por clientes. Amorim diz que a venda por redes sociais não isenta o comerciante de responsabilidades.

Fonte: Clarisse Souza – O Tempo

Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2019 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG