Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Capitão da PM agredido após denúncias de estupro é liberado por falta de provas
Publicado em 21/09/2018 11:09

(Foto: Reprodução / StreetView)

Um capitão da Polícia Militar, de 48 anos, suspeito de estuprar duas crianças de 9 anos e uma adolescente, de 16, em Santa Luzia, na região metropolitana de Belo Horizonte, foi liberado por falta de provas, nessa quinta-feira (20).

De acordo com a Polícia Civil, os depoimentos e provas materiais colhidos, até o momento, apontam que o suposto suspeito é inocente. Apesar da liberação, foi aberto inquérito para investigar o caso e identificar o real culpado.

A corporação informou que foram prestados depoimentos por parte de uma das vítimas e que as versões não eram compatíveis com as ditas anteriormente.

Na última quarta-feira (19), o capitão foi preso no bairro Palmital. Segundo relato de uma das testemunhas, o militar invadiu a casa onde uma das vítimas estava sozinha e começou a se despir pedindo que ela o observasse.

A criança de 9 anos gritou e alertou os vizinhos e, com isso, o suspeito fugiu do local. Em seguida, os moradores da região localizaram e agrediram o militar. A PM foi acionada com informações de que um homem teria sido agredido no aglomerado.

Os policiais foram ao local e conduziram o suspeito para um hospital da região. Após esse episódio, outra criança de 9 anos e uma adolescente de 16 anos procuraram a polícia alegando que também teriam sido abusadas pelo militar em outra ocasião.

Segundo o porta-voz da corporação, major Flávio Santiago, o militar era aposentado e estava reativo no 36º Batalhão de Polícia Militar, em Vespasiano. Entretanto, por conta das acusações, o capitão já teve o contrato rompido. Mesmo com a liberação, o capitão continua sem o contrato.

Ainda de acordo com Santiago, o militar nega as acusações e alega que foi ao aglomerado à procura de um rapaz que faria uma manutenção em seu celular. “Ele diz que foi abordado pelos moradores que começaram a agredi-lo, sem deixar que ele dissesse algo. Estamos apurando, mas, até o momento, não localizamos esse homem a quem ele se refere”, explica o porta-voz.

Fonte: Vitor Fórneas – Bhaz

Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2019 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG