Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Instagram | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | FALE CONOSCO | CSCSTV (vídeos)
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Dois são presos em operação que combate fraudes e lavagem dinheiro em MG
Publicado em 17/09/2018 14:09

De acordo com a Polícia Civil, quadrilha é suspeita de movimentar cerca de R$ 150 milhões.

(Foto: Reprodução / TV Globo)

Um contador foi preso, neste sábado (15), na segunda fase da Operação Apate, que combate lavagem de dinheiro e fraudes em Minas Gerais e tem como objetivo desarticular uma quadrilha suspeita de movimentar cerca de R$ 150 milhões. A Polícia Civil também prendeu a namorada de um dos suspeitos de chefiar o grupo, que ainda não foi detido. Os dois presos chegaram ao Departamento Estadual de Investigação de Fraudes, em Belo Horizonte, no fim da tarde.

A operação teve início nesta quinta-feira (13) em Belo Horizonte, Contagem, na Região Metropolitana, e Pará de Minas, na Região Central, onde fica um sítio do suspeito preso, que foi alvo de mandado de busca e apreensão.

De acordo com o delegado Vinícius Dias, entre 20 e 25 empresas foram criadas e tiveram o capital social aumentado. “Com o produto do ilícito, essas empresas recebiam esses valores e depois eles transformavam em bens lícitos, em dinheiro lícito”, explica. Ainda segundo o delegado, imóveis na capital e no interior foram comprados com esse dinheiro.

"Eles criavam nome de empresários, pegavam a CNH de grandes empresários não só de Minas como no Brasil como um todo, criavam documentos falsos, criavam nome de empresas fictícias em nome desses empresários. Como esses empresários tinham lastro grande no mercado eles passavam a criar também além de contas bancárias fantasmas em nome desses empresários que foram vítimas e, a partir daí, começavam a fazer empréstimos financeiros com instituições financeiras, consórcios de imóveis", explicou o delegado na quinta-feira.

Dias disse ainda que os suspeitos fechavam as empresas fantasmas e criavam outras sem que as vítimas percebessem.

Dentre os alvos dos golpes, de acordo com a polícia, estão empresários do ramo da construção civil, cartórios, instituições financeiras e até o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG).

De acordo com a polícia, o homem preso é pai de um dos suspeitos de chefiar a quadrilha e funcionário da Andrade Gutierrez. Conforme o delegado, a construtora foi prejudicada pelo esquema.

Dias explicou que um dos herdeiros da Andrade Gutierrez teria sido vítima da quadrilha, que usou o nome dele para habilitar uma linha telefônica. Os integrantes do grupo, segundo o delegado, queriam transferir R$ 16 milhões da conta dele, mas não tiveram sucesso porque o banco avisou antes. Procurada, a empresa disse que não vai comentar o caso.

Na chegada ao Departamento Estadual de Investigação de Fraudes, o homem detido disse que não sabia por que estava sendo preso. Já a mulher não falou com os jornalistas.

Conforme o delegado, eles foram presos em flagrante em um prédio de escritórios, na Região Centro-Sul da capital, quando pretendiam queimar documentos e celulares.

Na quinta-feira, a operação tentou cumprir seis mandados de busca e apreensão e três de prisão, mas, na data, os suspeitos não foram detidos. Um dos suspeitos abandonou a cobertura de luxo onde mora, na Região Oeste da capital, pouco antes da chegada da polícia. O apartamento, que teria sido comprado com dinheiro de fraude, tinha vários cômodos revirados.

Os suspeitos podem responder por lavagem de dinheiro, fraude processual, falsidade ideológica, falsificação de documentos particulares e públicos.

As contas bancárias dos investigados foram bloqueadas e houve quebra do sigilo bancário e fiscal. Segundo Dias, também foi feito o bloqueio de imóveis.

Fonte: G1 e TV Globo, Belo Horizonte

MAIS NOTÍCIAS
Jurídico do CSCS recebe elogio de associado

A assessoria jurídica da Sede do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG) obteve, mais uma vez, sucesso em processo judicial, em Belo Horizonte.

O...Leia mais.

Deputados e Entidades de Classe da segurança pública convocam as mobilizações também para o interior de MG

Nesta quinta-feira, 7 de março, durante a reunião com os deputados Sargento Rodrigues e Subtenente Gonzaga, juntamente com Cel Mendonça,
entidades de Classe da segurança pública - CSCS, ASPRA, ASCOBOM,...Leia mais.

Diretoria do CSCS reinaugura casa de apoio em BH

Pensando no conforto e comodidade de seus associados e após 3 meses em reforma, a Casa de Apoio do Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e do Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG), localizada em...Leia mais.

Dirigentes do CSCS participaram de manifestação no centro da capital

Durante nomeação dos deputados estaduais na Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), na tarde desta sexta-feira (01), diversas entidades de classes, que representam os servidores públicos do estado,...Leia mais.

CSCS convoca servidores públicos para a manifestação do dia 01 de fevereiro

O Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros Militar de Minas Gerais (CSCS PM/CBM-MG) como representante de classe dos militares e junto às demais categorias da segurança pública do...Leia mais.

VER TODAS AS NOTÍCIAS
Redes Sociais
Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2019 | Assessoria de Comunicação - CSCS PMCBM-MG