Home | Plataforma CSCS | Webmail | Documentos | Dúvidas Frequentes | Facebook | Twitter | Fale Conosco
HOME | INSTITUCIONAL | ASSOCIE-SE JÁ! | SERVIÇOS OFERECIDOS | HOTÉIS DE TRÂNSITO | REGIONAIS | POUSADAS | CASA DE APOIO | PROTEÇÃO AUTOMOTIVA | JURÍDICO | CSCSTV (vídeos) | FALE CONOSCO
img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

img

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

Nome:
Email:
Confirme seu cadastro:
Nome:
(DDD)
Confirme seu cadastro:
Polícia Civil apresenta três suspeitos de matar militar
Publicado em 09/02/2018 09:02

O cabo, que estava de folga e vestia trajes civis, levou um tiro em frente a uma oficina.

(Foto: Ronaldo Silveira – O Tempo)

A Polícia Civil apresentou, na última quinta-feira (8), na Delegacia Regional de Betim, três homens suspeitos de envolvimento no assassinado do cabo Jorge Luiz Santos Oliveira, 42. O policial militar foi morto no dia 9 de janeiro, com um tiro no peito, em frente a uma oficina mecânica, no bairro Recreio dos Caiçaras. Oliveira, que era policial há cerca de 20 anos, estava de folga no dia em que foi morto.

A investigação sobre o crime durou cerca de um mês. Segundo o delegado Álvaro Huertas, responsável pelo caso, a vítima conversava com conhecidos em frente a essa oficina, quando Jean Brenner Arcanjo e Ítalo Agostini Pereira dos Santos, ambos de 24 anos, se aproximaram com a intenção de roubar o veículo Honda Civic de propriedade do policial, além de aparelhos celulares. O terceiro envolvido, Matheus Rodrigues, 26, ficou dentro do carro, para dar fuga aos suspeitos, segundo a polícia.

“Ítalo chegou por trás do militar, e Jean, que estava armado, ficou na frente do cabo. Logo após anunciar o roubo, Ítalo levantou a camisa do PM e viu que ele estava armado. Nessa hora, o cabo Jorge tentou sacar a sua arma, mas foi baleado no peito por Jean. Logo após o crime, Ítalo saiu correndo e Jean, que disparou contra o militar, voltou para o carro e fugiu junto com Matheus”, contou o delegado. “Está sendo usual os bandidos pedirem para as vítimas levantarem a blusa nos assaltos. É uma forma deles verificarem se as vítimas estão armadas”, completou Huertas.

Rodrigues foi preso na Rodoviária de Belo Horizonte, tentando fugir para São Paulo. Ele confessou participação no crime, mas se disse arrependido. “Seu eu pudesse, tinha ficado em casa. Não tinha participado disso. Estou arrependido, de coração. Estava passando dificuldade financeira e devendo R$ 500 de aluguel, por isso, resolvi participar do assalto”, justificou-se o suspeito.

Santos se apresentou à polícia, em Matozinhos, na região metropolitana. Já Arcanjo se entregou na delegacia de Betim, na terça (6). Os dois não quiseram dar informações sobre o crime a reportagem. Eles disseram que falarão somente em juízo. Os três suspeitos foram encaminhados para o Ceresp Betim. A arma e o celular do cabo não foram encontrados. Rodrigues não tinha passagens. Santos e Arcanjo já foram presos por roubo.

Retaliação

Dois dias após o assassinato do cabo, oito áudios de WhatsApp, que indicariam uma retaliação contra a morte do militar, viralizaram na web. Na época, uma onda de violência se espalhou por Betim. Somente na semana posterior a morte dele, foram registrados 11 homicídios e sete tentativas de assassinatos na cidade.

“A Delegacia de Homicídios de Betim está investigando se esses crimes têm relação com a morte do PM. Assim que eles tiverem uma conclusão, devemos divulgar a apuração”, disse Álvaro Huertas, da 2ª Delegacia Regional da Polícia Civil de Betim.

Fonte: Lisley Alvarenga – O Tempo

Foto: Arquivo Pessoal / Divulgação O Tempo
Home | Fale Conosco | Termo de Uso | Política de Privacidade Centro Social dos Cabos e Soldados PM/CBM-MG - Rua Dom Oscar Romero, nº 500 - Belo Horizonte - Minas Gerais
Central de atendimento ao Sócio cscs@cscs.org.br | Fone Sede Social: (31) 3371-6563
© 2018 Centro Social dos Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Minas Gerais - CSCS